sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

A atuação do Banco Central no mercado de câmbio!


                                     Alexandre Tombini, Presidente do Bacen

Estamos passando por um momento ímpar na nossa economia, em que, depois de obtermos investment grade, promovermos a tão esperada estabilização monetária com o Plano Real, desenvolvermos o mercado de capitais e outras reformas importantes, nosso país se tornou um lugar bastante procurado por investidores estrangeiros atraídos por nossa taxa de juros (a mais alta do mundo) embora, para nós, historicamente, ainda seja relativamente baixa. Somando isso à questão de os países desenvolvidos estarem passando por uma crise na qual o risco de se alocar capital aumentou muito e com a grande impressão de dólares feita pelo FED (com o objetivo de reaquecer a economia norteamericana - o que na verdade acaba sendo mais veneno para o envenenado - e exportação da crise americana para o resto do mundo, como já ocorreu diversas vezes), acaba entrando muito dólar na nossa economia, como antes de investir em determinados ativos financeiros, o investidor estrangeiro precisa cambiar o dólar por real, a demanda por real aumenta o que, consequentemente, faz com que nossa moeda se valorize. Embora uma moeda forte seja muito bom para a economia, trazendo benefícios como o controle da inflação que se dá através do maior poder de compra do real perante bens estrangeiros (aumentando a concorrência para com os produtos brasileiros fazendo o preço destes declinarem), o nosso setor de exportações sofre muito com esse efeito (valorização cambial) e como esse setor possui um grande poder de lobby, o Bacen instantaneamente passa a atuar no mercado de câmbio comprando dólares de modo a tirar a moeda estrangeira do mercado com o objetivo de não valorizar tanto o real, porém quando o Bacen compra dólares dos agentes econômicos, começa a inundar a economia com Real, o que por sua vez diminui o poder de compra da nossa moeda - através do tão temido processo inflacionário. Como o objetivo do Bacen não é aumentar a oferta monetária, este começa um processo de esterelização, mediante a venda de títulos públicos, enxugando esse fluxo de reais que entrou na economia de modo indesejado por causa da tentativa do governo em manter o real mais desvalorizado do que seria se o mercado estivesse atuando por sua conta (oferta e demanda de divisas). Assim o Bacen consegue conter a alta do dólar e também o efeito que essa compra de moeda estrangeira acarreta inflação. Porém, será que não seria melhor deixar o real mais valorizado para que possamos comprar bens de capital mais baratos lá fora e, assim, modernizar e aumentar nosso parque industrial? Será que as novas altas da taxa de juros do BC são salutares para a economia ou só trarão mais dólares do exterior e aumentarão nossa dívida com a venda de títulos?

Álvaro Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário